ADUFPEL - Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pelotas

Logo e Menu de Navegação

Andes Sindicato Nacional
A- A+

Notcia

Por direitos, mulheres vo s ruas no dia 8 de maro

Assim como no ano anterior, em 2017, o dia 8 de março será marcado como um dia de luta pela libertação das mulheres de todas as formas de opressão. Paralisações e manifestações ocorrerão pelo mundo em repúdio à violência, à opressão de gênero e às contrarreformas da Previdência e Trabalhista. Em Pelotas, movimentos sindicais e sociais e coletivos irão reunir-se, novamente, em duas atividades.

 

No dia 8, às 15h30, em frente à Prefeitura, haverá concentração para panfletagem pelas paradas de ônibus e região central. Às 17h, um ato ocorrerá no largo do Mercado Público e, logo após, mulheres sairão em marcha pelas ruas da cidade.

 

Atividade antecede 8M

No dia 2 de março, um ato de preparação para o Dia da Mulher acontecerá no auditório da Faculdade de Direito da UFPel. Será realizado um debate com mulheres militantes que abordarão os aspectos históricos do 8M e ataques aos direitos da mulher - como as Contrarreformas Trabalhista e Previdenciária - e seus impactos. Também serão apresentados dados sobre a violência contra a mulher (locais e nacionais), pautado o feminismo negro e debatido o descaso do governo municipal em relação a políticas públicas para as mulheres.

 

Resistência contra a retirada de direitos

Em um contexto de severos ataques aos direitos das e dos brasileiras/os, as mulheres vão às ruas também para chamar a atenção para as políticas que os governos tentam impor. Assim como no ano passado, ressaltam a perversidade da Contrarreforma da Previdência, cuja votação foi adiada devido à pressão popular, bem como da Contrarreforma Trabalhista, já aprovada no Congresso Nacional e em curso no país.

 

A Contrarreforma Trabalhista torna as condições das trabalhadoras ainda pior. Gestantes e lactantes podem, a partir da nova legislação, trabalhar em locais insalubres. Além disso, as mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho instituem o trabalho intermitente, com jornadas não definidas, o que afeta as mulheres, setor que é mais precarizado e possui maior rotatividade no trabalho.

 

Além da suscetibilidade maior em relação a vínculos trabalhistas, as mulheres ainda recebem menores salários e ocupam menos cargos de poder. A baixa representatividade se reflete em políticas misóginas e discriminatórias, como a criminalização do aborto e as tentativas de mudanças previdenciárias que, usurpando o conceito de ‘igualdade de gênero’, pretendem nivelar a idade mínima de aposentadoria da mulher à do homem, desconsiderando a divisão sexual do trabalho, que faz com as mulheres realizem duplas jornadas, recebam menos que os homens e sejam as mais rejeitadas pelo mercado.

 

Os dados sobre o emprego formal na cidade de Pelotas também demonstram o quanto a hierarquização social incide sobre a situação da mulher no mundo do trabalho. Do total de 614 demissões em empregos formais em 2017, 599 foram de mulheres, totalizando 97% das/os trabalhadoras/os que perderem sua ocupação. Ou seja, os patrões preferem demitir as mulheres.

 

Violência contra a mulher

Além disso, os índices de violência física e doméstica ainda são alarmantes. O Dossiê Violência contra as Mulheres, publicado pelo Instituto Patrícia Galvão apontou números alarmantes do Brasil: um estupro ocorre a cada 11 minutos, uma mulher é assassinada a cada duas horas, 503 mulheres são vítimas de agressão a cada hora e ocorrem cinco espancamentos a cada dois minutos.

 

Em Pelotas, em 2017, conforme mostram os indicadores da violência contra a mulher, elaborado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado, ocorreram 54 estupros, 811 casos de lesão corporal e 1.131 ameaças a mulheres.

 

Fonte: Assessoria ADUFPel

 

Imagem: Assessoria ADUFPel

Veja Tambm

  • relacionada

    Aps presso, governo municipal retira de pauta projeto que altera remunerao dos servido...

  • relacionada

    H 50 anos a ditadura institua o AI5: o aprofundamento do golpe

  • relacionada

    Com muita represso, governo aprova pacote de maldades contra servidores na Bahia

  • relacionada

    Servidores da Bahia ocupam assembleia legislativa contra mudanas na previdncia

  • relacionada

    Projeto Escola Sem Partido arquivado e s volta a ser debatido em 2019

  • relacionada

    Expediente fim de ano ADUFPel-SSind

Newsletter

Deixe seu e-mail e receba novidades.