ADUFPEL - Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pelotas

Logo e Menu de Navegação

Andes Sindicato Nacional
A- A+

Not��cia

Primeiro dia do Conad Extraordinário do ANDES-SN discute conjuntura e movimento docente

Teve início, na tarde desta quinta-feira (30), o 8º Conselho do ANDES-SN (Conad) Extraordinário. O encontro, com tema único - Prorrogação do Mandato da Diretoria Biênio 2018/2020 - acontece em plataforma virtual, entre esta quinta e sexta-feira (31). O evento conta, até o momento, com 64 delegados e delegadas e 133 observadores e observadoras de 71 seções sindicais. Além de 7 convidados e convidadas e 20 diretores nacionais, totalizando 224 participantes.

A Plenária do Tema 1 do 8º Conad Extraordinário do ANDES-SN discutiu conjuntura internacional e nacional e o movimento docente diante do cenário imposto nos últimos meses, de agudização da crise do Capital e exploração dos trabalhadores, conjugada e intensificada pela a crise sanitária provocada pelo novo coronavírus.

Para abrir os debates, foram apresentados os nove textos de análise, constantes no Caderno do Conad, com direito a 7 minutos de fala para cada inscrito. Na sequência, foram abertas as falas para os inscritos e as inscritas.

As avaliações destacaram a agudização da crise do Capital internacional, que intensifica a exploração e miséria da classe trabalhadora, enquanto amplia a riqueza de poucos, inclusive durante a pandemia. O negacionismo científico presente nas posturas de líderes mundiais conservadores e de extrema direita, como Boris Johnson e Donald Trump (e seguido no Brasil por Jair Bolsonaro) também foi apontado, assim como as lutas e mobilizações que eclodiram em várias partes do mundo desde metade de 2019, com no Chile, nos EUA e também no Brasil.

Os diversos ataques do governo Bolsonaro ao longo do último semestre, intensificados após o início da pandemia, foram amplamente pautados. Entre esses, o desmonte das políticas de meio ambiente, as diversas medidas provisórias favorecendo banqueiros e grandes empresas e atacando direitos trabalhistas e a total ausência de uma política nacional de combate à Covid-19 e de assistência à população para que se pudesse efetivar um isolamento social.

Da mesma forma, a reflexão sobre o recorte de classe, gênero e raça da grande maioria das vítimas da Covid-19 e do desemprego e exploração intensificados pela crise sanitária foi proposta em várias colocações, que apontaram ainda a necessidade de intensificar a luta pelo Fora Bolsonaro e Mourão, com o fortalecimento dos espaços de organização, como o Fórum Sindical, Popular e de Juventudes de Luta por Direitos e Liberdades Democráticas. Além disso, a necessidade de fortalecer a unidade entre as centrais, via CSP Conlutas, e ampliar a mobilização em unidade com outros  movimentos sociais.

Foi reforçado também por muitos o papel fundamental que o ANDES-SN teve no último período na organização e participação de muitas lutas e também no enfrentamento, através das seções sindicais, em defesa dos direitos e da vida da classe trabalhadora.

Ensino durante a pandemia

O debate sobre o ensino remoto e como o sindicato se posiciona frente a questão esteve presente em todas as falas, tanto nas apresentações de texto quanto nas inscrições.

Foram apontados alguns dos interesses, do governo e do Capital, por trás da imposição do ensino remoto nas universidades públicas, institutos federais e Cefet. A pandemia, na avaliação de alguns docentes, apresentou a oportunidade de ampliar a educação à distância, aprofundar a precariedade do ensino, intensificar o trabalho docente e também transferir recursos públicos para os grandes conglomerados de tecnologia da informação.

Outro aspecto abordado foi o caráter excludente do ensino remoto imposto em diversas instituições, ignorando parcela grande dos estudantes, em especial mulheres, negros e negras, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. E, ainda, as dificuldades materiais e subjetivas da comunidade acadêmica em participar desse modelo.

Muitas falas apontaram que a questão do acesso à tecnologia é apenas um dos pontos a ser considerado, mas, no entanto, tem sido colocado em várias instituições como o único entrave para a transferência do ensino para plataformas virtuais.

Vários e várias docentes relataram suas experiências sobre como está se dando a implantação do ensino remoto em suas instituições. Foi presente, em diversas colocações, a falta de amplo debate com a comunidade acadêmica e, ainda, a adesão, por parcela da categoria, a essa modalidade, o que apresenta um dilema para a entidade, segundo algumas colocações.

Foram lembradas e saudadas, em várias falas, as datas que marcam o período em que acontece o 8º Conad, como o mês das Mulheres negras marcado pelo 25 de julho - Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, o aniversário de Marielle Franco, em 27 de julho, e o Dia Internacional de Luta contra o Tráfico de Pessoas, em 30 de julho.

Como prevê o estatuto do Sindicato Nacional e o regimento do 8º Conad Extraordinário, não há votações na plenária do tema 1. Após atingido o teto estabelecido, o debate se encerrou às 18 horas. O 8º Conad Extraordinário terá sequência nesta sexta-feira (31), com a plenária do tema 2, sobre a prorrogação do mandato da atual diretoria e o processo eleitoral, suspenso no momento devido à pandemia.

Avaliação do primeiro dia

“A plenária do tema I, Conjuntura e Movimento Docente, ocorrida no 8º Conad Extraordinário, virtual, se deu em um momento de excepcionalidade e no contexto de uma grave crise econômica e sanitária. Contexto este que nos coloca enormes desafios que foram sinalizados em um rico debate de conjuntura”, avalia Katia Vallina, 1ª vice-presidente da Regional Norte 1 do ANDES-SN, que presidiu plenária.

Para a diretora do Sindicato Nacional, foi recorrente nas falas a proposta de construção da unidade para organizarmos a luta pelo fim do governo Bolsonaro/Mourão, a luta contra o fascismo, a necessidade de intensificar as lutas em defesa da vida e ampliar a solidariedade de classe.

“E, no âmbito da educação, prosseguir no debate com a nossa categoria sobre o significado do Ensino Remoto, que promove a privatização da educação, a precarização do ensino das IES, afeta a saúde mental dos docentes e gera exclusões na comunidade acadêmica, dentre outros prejuízos. Indubitavelmente, o 8º Conad evidencia pelo número de participantes, mas, sobretudo, pelo nível dos debates, a relevância da sua realização”, acrescenta.

"A posição geral foi de reforço a todas as lutas em defesa das e dos trabalhadores, da educação e da saúde públicas, dos serviços e servidores públicos, manter a organização da categoria junto com os demais movimentos sociais e sindicais. Permanecemos unidos em defesa da vida e da educação! Fora Bolsonaro/Mourão!", destaca a presidente da ADUFPel-SSind, Celeste Pereira. 


Fonte: ANDES-SN com inclusão de informações e edição de Assessoria ADUFPel

Imagem: ANDES-SN




Veja Também

  • relacionada

    ADUFPel promove campanha de arrecadação

  • relacionada

    Comitê UFPel Covid-19 recomenda aumento do isolamento social

  • relacionada

    A boiada está passando: cresce o desmatamento no Brasil

  • relacionada

    Negando a realidade da pandemia, Leite quer aulas presenciais ainda em agosto

  • relacionada

    Bolsonaro quer cortar R$ 35 bilhões do SUS em 2021

  • relacionada

    Conselho de Representantes debate a possibilidade de um novo Calendário Alternativo na UFP...

Newsletter

Deixe seu e-mail e receba novidades.