ADUFPEL - Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pelotas

Logo e Menu de Navegação

Andes Sindicato Nacional
A- A+

Notí­cia

Reunião conjunta no ANDES-SN debate o cenário político brasileiro

Conjuntura política após o primeiro turno é debatida em reunião do ANDES-SN

Representantes de mais de 25 seções sindicais do ANDES-SN estão reunidos nesta terça-feira (9) para debater a conjuntura eleitoral do país. A reunião conjunta dos Setores das Instituições Federais de Ensino (Ifes) e Estaduais e Municipais de Ensino (Iees/Imes) ocorre na sede do sindicato em Brasília (DF).

A diretoria do ANDES-SN apresentou uma proposta de texto político sobre a conjuntura eleitoral, após o primeiro turno, aos presentes. O texto ressalta a gravidade da conjuntura atual, de uma crise que não é apenas política, mas social, cultural e econômica.

A proposta da diretoria reafirma a importância do Sindicato Nacional nessas décadas de luta a favor da categoria docente e da classe trabalhadora. “Neste momento, em que o cenário eleitoral expressa uma disputa entre frações da burguesia, protofascismo e projetos de conciliação de classe, é necessário reafirmar as posições históricas do ANDES-SN, analisar com precisão a conjuntura e definir ações para o período do segundo turno das eleições”, diz um trecho da nota.  

“Ao mesmo tempo em que as manifestações contra o fascismo ganharam as ruas, nas inúmeras e numerosas manifestações do dia 29 de setembro de 2018, sob o chamado #EleNão, também identificamos o crescimento de ações ofensivas, de perseguição, de agressões e um conjunto de fake news que tenham difundir a desesperança e o ódio”.

A diretoria ainda propõe a realização de assembleias de bases, plenárias, debates e outras atividades para refletir sobre a atual conjuntura do país. O debate continuará à tarde para deliberar os encaminhamentos da reunião conjunta.

Crime de ódio
No início da reunião, esta manhã, foi feita a leitura de uma nota política em repúdio ao assassinato do capoeirista, Romualdo Rosário da Costa. Mais conhecido como mestre Moa do Katendê, em Salvador (BA), ele foi vítima de um crime de ódio por divergir politicamente do seu assassino. 


Fonte: ANDES-SN

Veja Também

  • relacionada

    Após pressão, governo municipal retira de pauta projeto que altera remuneração dos servido...

  • relacionada

    Há 50 anos a ditadura instituía o AI5: o aprofundamento do golpe

  • relacionada

    Com muita repressão, governo aprova ‘pacote de maldades’ contra servidores na Bahia

  • relacionada

    Servidores da Bahia ocupam assembleia legislativa contra mudanças na previdência

  • relacionada

    Projeto Escola Sem Partido é arquivado e só volta a ser debatido em 2019

  • relacionada

    Expediente fim de ano ADUFPel-SSind

Newsletter

Deixe seu e-mail e receba novidades.